image(8)

Dança com Bebês

Esta publicação foi postada em Blog no dia por .

Dança com bebês

 

Dança com Bebês e Dança com Gestantes

Fernanda Yud – Bailarina responsável pelo Setor de Danças do Instituto Nascer

 

Além de trazer reconhecidos benefícios para a saúde da criança, o aleitamento materno é constantemente citado como uma maneira de estreitar os vínculos entre mãe e filho. Além dele, algumas mulheres têm descoberto na dança outro meio poderoso de se aproximar de seu bebê.

As aulas para mães com bebês de colo (a partir de um mês se o parto for normal ou um mês e meio, no caso de cesárea) ou que engatinham, e para mães com bebês que andam (até três anos). Apesar da indicação, antes de iniciar qualquer atividade física, é recomendável que a mulher passe por uma avaliação com o médico que a acompanha.
A aula é composta de movimentos simples e improvisações, tudo sob a orientação da professora. Pais, avós ou outro adulto que tenha proximidade emocional com o bebê também podem participar do grupo.
“Há situações variadas que favorecem um contato amoroso e próximo entre mãe e bebê. Seja por meio de massagem (que compõe o aquecimento da aula) ou na hora de dançar aconchegado junto ao corpo da mãe em um carregador. O bebê se beneficia também do fato de a mãe ter um momento de relaxamento para ela”.
A prática ainda ajuda a melhorar o sono da criança, uma das principais queixas dos pais de bebês.
Para as mulheres com filhos que andam, a proposta é combinar a dança com momentos lúdicos de forma que os bebês desenvolvam curiosidade para explorar o contato com a mãe e com as outras crianças.
“Nessa aula, há bastante espaço para os bebês exercitarem a autonomia corporal recém-conquistada, acompanhados pelos pais. Não há fronteiras entre dançar e brincar. Há alguns momentos no colo também”, diz Tatiana, do Dança Materna.
Segundo a professora, a dança só é desaconselhada para quem tem problemas realmente graves de coluna e articulações, como joelhos e tornozelos. Nas aulas, também são dadas sugestões simples sobre como organizar o corpo para amamentar, minimizando o cansaço nos ombros, pescoço e costas.
Na prática, com o auxílio do “sling” (o modelo “wrap” é o mais apropriado para a modalidade, porque nele a criança fica colada ao corpo do adulto), é possível realizar os movimentos da dança do ventre com liberdade para a mãe e segurança para o bebê.
“O ‘sling’ não machuca o bebê, pois ele é muito confortável. Na maioria das vezes, a criança adormece Não há perigo de ela cair desde que seja utilizado o tecido adequado e o carregador seja amarrado corretamente. Quanto ao balanço, são movimentos suaves”.
As atividades podem ser iniciadas nos primeiros meses de vida e praticadas até quando mãe e filho queiram, mesmo quando a criança já engatinha ou anda.
*Colaborou Thais Carvalho Diniz, do UOL, em São Paulo

Para mais informações entre em contato pelo telefone (31)  3262-3538

Para mais informações entre em contato pelo telefone (31) 3262-3538