Bruna Silvestre

Bruna Silvestre

Tempestades, o Sol e o Calor
                           Meu relato de parto
Eu tenho 1,56 de altura, pesava 55 kg até engravidar, gestei o Afonso por 40 semanas e 2 dias, um menino saudável, forte, esperto e lindo.
Soube que estava gravida no dia 1° de maio, sim, dois risquinhos rosa no teste, vem aí o nosso tão planejado e quisto bebê. Iniciamos o pré-natal, consultamos alguns médicos, mas eu sempre soube o que queria, eu queria um parto com assistência adequada e humanizada. Estudei sobre isso durante a graduação, me encantei, seguia o Instituto Nascer nas redes sociais, e vi lindos relatos de assistência e parto, inclusive de uma das minhas professoras, a super inspiradora Cecília Cecilia Antipoff.
Com 12 semanas agendamos uma consulta com o Dr. Hemmerson Magioni, foi a melhor consulta médica da minha vida até hoje, foram quase duas horas de muita empatia, informação, praticamente uma aula sobre assistência, humanização e gestação.
Saí de lá encantada com tudo, o médico, a recepção o lugar de paz, porém só poderíamos fechar o programa de parto com 16 semanas, e eu aguardei ansiosamente.
O pré-natal, os cursos, os profissionais, as informações e indicações foram um sonho. Tudo tão perfeito e natural, que me fez ter a mais plena e absoluta certeza que conseguiria.
No dia 04-01-2019 eu estava com 40 semanas e 1 dia de gestação, estava ansiosa para entrar em trabalho de parto, então fiz algumas terapias, ventosas, acupuntura, escalda-pés e foi maravilhoso. Fiquei mais relaxada, tranquila, e as 22h desse dia, comecei sentir um colicazinha no pé da barriga, torcendo para se intensificar, tomei um banho e fui dormir.
Durante a noite e madrugada aquela colicazinha foi se intensificando, e as 01h40 as contrações estava ritmadas de 10 em 10 minutos, então acordei o meu marido e passamos a monitorar juntos. Como já havia sido orientada pela minha doula Lena Borgo, (uma mulher iluminada, mística, com uma ligação direta com o sagrado feminino, era assim que eu a enxergava ao segui-la nas redes sociais, foi assim que a vi e a vejo quando nos conhecemos pessoalmente e quando ela estava ao meu lado durante o trabalho de parto) fui muito ao banheiro (n° 2) era o meu corpo limpando o intestino, trabalhando a favor do parto, e em uma dessas vi que perdi um pouco do tampão mucoso.
Tomei um banho quente e demorado, tentei dormir mais um pouco, porem as 3h00 da manha as contrações estavam de 5 em 5 minutos. Eu queria aguardar um pouco mais, a dor é completamente suportável, e eu estava muito feliz, queria muito sentir aquilo tudo, mas meu marido estava ficando preocupado e achou melhor avisar a equipe.
Então, as 3h40 enviei uma mensagem para a Lena, ela estava acompanhando outro trabalho de parto e não visualizou de imediato. Também mandei uma mensagem para a Adrinez Cançado a enfermeira obstetra que me acompanharia, ela me respondeu de imediato, me orientou e me passou muita tranquilidade, porém, também estava acompanhado um trabalho de parto. Rrsrsrsrsrs parto humanizado é assim, na hora a qualquer hora!!!
Passei viver aquele momento com mais intensidade, não queria mais saber de celular, então o meu marido ficou conversando com a equipe, monitorando as contrações, e me acompanhando. As 7h a Liliane Cunha, também enfermeira obstetra chegou à minha casa para me examinar e substituir a Adrinez. Isso foi muito bom, quando ela chegou eu relaxei muito, me deu uma tranquilidade imensa.
Lili monitorou as contrações, os batimentos cardíacos do bebê, e a dilatação do colo, estava com 4 para 5 cm, e fiquei surpresa. Organizamos as coisas de levar para a maternidade, fizemos uns exercícios, movimentos de quadril e pélvicos, tomamos café da manha, eu tomei mais um banho e fomos para a maternidade por volta das 9h30, eu já estava com 7 cm de dilatação, mas a bolsa não havia rompido.
Chegamos à maternidade NeoCenter e o Dr. Hemmerson já estava nos aguardando, me recebeu com um abraço, muita ternura e tranquilidade, a internação aconteceu por volta das 10h.
As contrações estavam ritmadas, a dilatação evoluindo muito bem, e cheguei aos 9 cm com muita tranquilidade, porém a bolsa continuava integra e em um dado momento, as contrações diminuíram e o trabalho de parto não evoluía.
Eu já tinha almoçado, entrei na banheira, recebi as massagens, homeopatia, óleos essenciais das mãos magicas da Lena. Fazia todos os exercícios tão cuidadosamente formulados pela minha fisioterapeuta Renata Cangussu, mas não cheguei aos 10 cm de dilatação e a bolsa não rompeu. Eu estava determinada, mas estava ficando cansada.
Foi então que o Dr. Hemmerson com um olhar médico muito respeitoso, achou que era hora de intervir. Sempre me explicando todos os procedimentos, o que poderia ou não acontecer, sugeriu uma rotura de bolsa, e a fizemos. Desse momento em diante as contrações se intensificaram muito, e eu acho que entrei na partolândia, tenho lembranças turvas desse período.
Lembro-me de recorrer muito a Lena, contrações intensas, procurar as mãos do meu marido para me apoiar… E me lembro de pedir uma analgesia, sempre me dirigindo a Lena.
Recebi a analgesia e foi uma benção, senti o efeito instantaneamente, me deitei e consegui dormir por quase uma hora. Ainda sentia as contrações e o bebê fazendo muita força, empurrando. Então chamei a Lili EO, e disse que sentia o bebê empurrar, gostaria de fazer força para ajuda-lo, e ela disse que o Dr. Hemmerson me examinaria, e dependendo da dilatação eu poderia fazer força sim. Ao ser examinada, ainda estava com 9 cm, e o Dr. Hemmerson disse que não adiantava fazer força sem chegar aos 10 cm.
A vontade de empurrar aumentava, e agora era espontânea. Então a Lena me disse para ouvir o meu corpo, sugeriu a posição de gaskin, disse que se o corpo empurrasse eu também deveria fazer. E assim o Afonso nasceu, trazendo o sol e o calor para esse mundo e para as nossas vidas, desde que ele chegou às tempestades de verão se foram.  As 18h19 do dia 05-01-2019 eu pari.
Volto ao inicio desse relato, Eu tenho 1,56 de altura, 26 anos, pesava 55 kg até engravidar, gestei o Afonso por 40 semanas e 2 dias, um menino saudável, forte, esperto e lindo. Pari de quatro (posição de gaskin) porque a natureza é perfeita e mulheres são capazes de parir, o meu corpo é perfeito, eu sei parir e meu bebê sabe nascer. Pari na presença do grande amor da minha vida Eustáquio Junior, meu maravilhoso Ginecologista Obstetra Hemerson Magioni, minha Enfermeira Obstetra Liliane Cunha, e minha doula magica e mística Lena Borgo. Pari um bebê de 53 cm, pesando 3,600 kg, em um parto normal, humano e respeitoso, onde fui protagonista o tempo todo, e todos os meus desejos e vontades foram respeitados. Não tive lacerações de nenhum grau, não precisei de episiotomia, meu períneo continua integro, e passamos muito bem, obrigada.
Gratidão a toda a equipe do Instituto Nascer, fisioterapeuta Renata Cangussu, Enfermeira Obstetra Adrinez Cançado e Liliane Cunha, Doula Lena Rubia Borgo Bezerra, Ginecologista Obstetra Hemmerson Henrique Magioni, Enfermeira Giovanna Cappai (aleitamento e cuidados com o bebê), equipe de ultrassonografia, recepcionistas e todos mais.
Gratidão ao meu marido Eustáquio Junior, por respeitar minhas escolhas, me acompanhar em todas elas, me apoiar o tempo todo, e por estar ao meu lado, me amando sempre. Amo você meu bem, e agora temos um pacotinho de amor.
*Bruna Ariane Silvestre, Psicóloga e mãe de Afonso

Compartilhe esse relato:

Facebook
Google+
Twitter
WhatsApp
Pinterest
Fechar Menu