image1

Natália Costa – Parto natural na Água

Esta publicação foi postada no dia por .

Foi há um mês e um dia que o Gustavo, meu marido, num domingo ao final da tarde conversou com a Catarina, ainda dentro da minha barriga e disse: “ Filha, o Papai, a Mamãe e a nossa casa estão prontos para te receber. Estamos só esperando o seu momento e queremos muito de conhecer!” Saímos para uma caminhada em nosso prédio para, quem sabe, estimular o trabalho de parto e fomos dormir.

Às 2 horas da madrugada comecei a sentir algumas dores mas não tinha certeza se eram contrações. Por isso decidi ficar acordada para acompanhar e identificar se eram ou não. Às 4 horas, quando o Gustavo acordou para trabalhar, eu falei com ele: “Lindo, me ajuda a ter certeza, mas acho que estou tendo contrações!!!” Ele sabia o quanto eu esperava por essas “dores”.

Como tínhamos consulta marcada com o Dr. Hemmerson no mesmo dia às 10:30, não fiquei ansiosa. Fiquei curtindo as contrações e focada em não perdê-las. O Gustavo não foi trabalhar e, na consulta, o Dr. Hemmerson verificou se eu tinha dilatação. Na sexta feira anterior eu tinha apenas 1cm. Ele me disse que eu estava com 3 para 4 cm de dilatação e que era provável que nos encontrássemos de novo à noite ou no dia seguinte para o parto.

Fui embora deslumbrada de alegria e curtindo cada contração que vinha. Estava muito emocionada. Almoçamos com meus pais e fomos para nossa casa. Ao chegar em nossa casa as contrações estavam mais fortes e mais próximas mas eu pedi que o Gustavo ainda não falasse com a equipe do Instituto, afinal, dor mesmo era só quando eu já não conseguisse conversar. Além disso, o Dr. Hemmerson disse que nos encontraríamos à noite e não em tão poucas horas.

Pouco depois minha bolsa estourou. Não tínhamos certeza se era mesmo a bolsa e, como eu tinha a bactéria Streptococos, tínhamos que ir direto para o hospital caso fosse bolsa rota. O Gustavo entrou em contato como Dr. Hemmerson para saber o que fazer e, a partir desse momento, concluí que eu estava com muita dor pois já não conversava mais. A Adrinez (uma Santa!!), enfermeira obstetra, chegou rapidamente na minha casa para verificar se eu já tinha dilatação para ir para o hospital e se estava tudo bem. Segundo ela, o meu comportamento falava mais do que qualquer exame. Só de me ver ela tinha certeza de que já devíamos ter ido para a maternidade.

Ela conseguiu me ajudar a me vestir, andar, sair de casa, encontrar posição para entrar e ficar no carro e, assim, fomos para a Maternidade. Chegando lá a Carol, nossa prima e doula (muito amor envolvido), estava na porta e o Dr. Hemmerson já havia resolvido tudo. Lembro-me que ele foi carinhosamente me cumprimentar com aquela cara de pessoa calma, como se tudo estivesse muito bem, e eu olhei para ele e pensei: Doido! Estou morta de dor! Como ele pode estar tão calmo!

Descemos para a sala de parto juntos enquanto o Gustavo resolvia algumas burocracias. Ao chegar lá sentei no banquinho, mas não me adaptei muito bem. O Dr. Hemmerson verificou minha dilatação e disse que eu já estava com 10cm. Falou com o Gustavo: “ Catarina já está chegando! ” Por dentro me senti FODA!! Pois cheguei na maternidade muito dilatada, conforme eu havia desejado tanto! Mas por fora estava desesperada de dor. Ao saber disso fiquei muito animada. Eu sabia que seria somente uma questão de tempo até ver a nossa Catarina!!

Quando a banheira encheu a Adrinez sugeriu que fossemos para lá. Nossa!! Realmente entrar na banheira trouxe muito alívio!! O Gustavo entrou na banheira comigo e me segurou lá dentro. Só o fato de saber que ele estava lá já me deixava muito confiante. Eu já estava no expulsivo e me lembro que a cada força que eu fazia a Carol falava: Natália, você está ótima! É isso mesmo! Agora é menos uma! Essas falas me animavam muito. Eu só pensava na Catarina, no quanto eu queria que ela viesse no dia e horário que fossem bons para ela. E que eu suportaria tudo para conseguir. Num determinado momento a Adrinez sugeriu que eu mudasse de posição e conseguimos uma posição que foi ótima. Desse momento em diante eu sabia que minha filha estava ainda mais perto!! Quando ela coroou o Dr Hemmerson levou a minha mão na cabecinha dela e eu pude sentir seus cabelos. A emoção foi e, ao me lembrar, ainda é, enorme. Eu pude sentir o cabelinho dela se movendo na água. Lembro dessa sensação na minha mão como se fosse hoje! OBRIGADA, DR. HEMMERSON! A partir daí eu me concentrei em conseguir ajudar a minha filha a nascer.

Quando eu senti que eu faria uma força na qual a cabecinha dela iria sair, abri meus olhos para garantir que quando ela nascesse, teria alguém para recebe-la. Foi quando vi toda a equipe e o Gustavo atrás de mim. O Dr Hemmerson estava na minha frente segurando a minha mão direita para fazer a força contrária que eu precisava para aquele momento. A Adrinez à minha esquerda e a Carol à minha direita. Me senti forte, segura e confiante. Tive certeza de que a Catarina podia nascer e que ela seria muito bem recebida.

Primeiro saiu uma parte da cabecinha, depois o restante da cabeça, e então o corpinho saiu de uma só vez. Foi maravilhoso sentir cada momento no qual ela ia saindo do meu corpo. O cordão dela era curto, por isso não foi direto para o meu peito e sim ficou apoiada em minhas pernas. É emocionante lembrar de como foi incrível olhar para ela, sentir a pele dela nas minhas mãos. Analisar cada pedacinho dela e ver que tínhamos conseguido. Quando cordão parou de pulsar, o Gustavo o cortou e, então ela veio pro meu colo. Ela era bem pequenininha! A peguei com todo o amor que eu tinha! Queria ficar com ela pra sempre, acolher, sentir o corpinho dela e ver cada detalhe. Ela ficou de lado, abraçada comigo e com o Gustavo. Essa é a posição que ela mais gosta de ficar no meu colo até hoje!

Durante todo o meu Pré Natal e durante o Parto o meu maior medo nunca foi o de vivenciar essa experiência. O meu maior medo foi o de não ter essa oportunidade.

Quero agradecer imensamente a todos os envolvidos! Vocês me permitiram sentir segura e confiante para experimentar a melhor experiência da minha vida, o nascimento da minha primeira filha! OBRIGADA!!

Para mais informações entre em contato pelo telefone (31) 3262-3538