Logotipo Instituto Nascer
(31) 3262-3538

Blog

Metamorfose esperançosa!

Metamorfose esperançosa daqueles que aguardavam a sua vez de serem o cemitério de coronas, e não vítimas dele.

Dia 20 de Janeiro, dia de São Sebastião, foi meu aniversário. Ganhei de presente, por coincidência astral, a vacinação contra COVID-19 que começou exatamente neste dia D e na hora H.

Fui vacinado no Hospital Vera Cruz, mesmo nosocômio onde nasci e trabalho há mais de 32 anos.


Logo depois da agulha transfixar a minha pele e depositar milhares de cadáveres de Coronavírus em meu deltoide esquerdo, percebi uma transformação imediata. Meus sentidos ficaram mais aguçados e passei a ver detalhes que nos escapam aos olhos, quando a angústia e a incerteza permeiam a alma.

A falta de horizonte gerada pela epidemia fez o mundo ficar cinza. Mil tons de cinza, sem nenhuma sensualidade. Pelo contrário, nunca vi nada tão árido e broxante quanto o stress epidêmico. Máscaras tampando o sorriso, óculos escondendo o brilho dos olhos, ausência de apertos de mão, abraços a distância, 3 beijinhos, nunca mais. Passamos a valorizar coisas que fazíamos automaticamente, sem perceber a sua beleza. Trata-se do valor intrínseco do jeitinho de cada um. Tudo que nos foi negado pelo vírus e fez o mundo ficar cinza, insípido e inodoro.

Mesmo antes da espetada tão esperada, ao desembarcar do elevador que me levou até o local da vacinação, já percebi a mudança dos funcionários pré e pós vacina. Metamorfose esperançosa daqueles que aguardavam a sua vez de serem o cemitério de Coronas e não, vítimas dele. Vitória sublime da ciência ao devolver o brilho no olhar e colorir as faces, mesmo ainda escondidas pelas máscaras salvadoras e repletas de simbolismo.

Todos, sem exceção, estavam movidos por uma excitação mágica de serem socorridos num barco de refugiados em mar revolto. De volta a terra firme. Pés no chão, mesmo sabendo da longa estrada a seguir e ainda descalços. Esperança de quem lutou luta desigual. Resistiu a intempéries e sobreviveu.
A alegria era contagiante. Agradecimentos à ciência, ao SUS, ao Butantã e até à China.


Teve uma pessoa apenas que me chamou no canto e perguntou:

Dr. esta vacina é segura?

Claro! Respondi. Passou por estudos rigorosos e tem mais de 15 anos de conhecimento acumulado para chegar até esse momento. Além disso, para quem come camarão em espetinho na praia, toma caipirinha com gelo de procedência duvidosa e arrisca um quibe na rodoviária, não faz sentido algum questionar a idoneidade de uma vacina. Afinal, para afogado, jacaré é toco. Tome logo essa vacina porque que a fila está grande e estamos em festa.

Aliás, não vi qualquer jacaré por lá. Nenhuma metamorfose negacionista ou terraplanista.

Não vejo a hora do país inteiro viver esse momento mágico. Antevejo a vida voltando à normalidade, as pessoas dançando nas ruas, se abraçando e beijando, sem medo ou culpa por estarem felizes. Nossos filhos com mochilas nas costas, indo e voltando para a escola, sem medo de levar para casa a orfandade.

Tempos difíceis passarão, com ou apesar, da incompetência de gestores insensíveis e irresponsáveis. Eles passarão… e a sociedade seguirá seu processo penoso, mas inexorável de metamorfose e amadurecimento.

Fazendo a ficha para ser vacinado, me perguntaram – quantos anos o Sr. tem?

Respondi da mesma forma que Galileu Galilei – Oito, dez ou, com muita sorte, vinte, quem sabe! Vamos, me dê logo essa vacina, porque quero aproveitar muito bem o tempo que me resta!

Dr. Carlos Ernesto Ferreira Starling , Médico Infectologista e Diretor Técnico do Espaço VACINE-SE do Instituto Nascer.

Médico, infectologista e especialista em medicina preventiva e social pela UFMG. Mestre em medicina., possui curso de especialização em epidemiologia hospitalar pela Universidade de Freiburg Alemanha e Society of America e CDC (Centers for Disease Control) de Atlanta dos Estados Unidos e Harvard Medical School. Carlos Starling tem sido um dos pesquisadores de maior destaque no cenário científico internacional pelos seus inúmeros trabalhos e publicações sobre a epidemiologia e o controle das infecções hospitalares. 

*Fonte Portal Jornal Estado de Minas – Publicado em 21/01/21