Logotipo Instituto Nascer
(31) 3262-3538

Blog

INEC – Não perturbe: a importância da privacidade no parto

Imagem: Bruna Gil Fotografia

Texto direcionado à profissionais de saúde:

Na natureza, quando um animal em trabalho de parto se sente ameaçado ou perturbado, o hormônio do estresse catecolamina interrompe o trabalho de parto. Da mesma forma, quando uma mulher em trabalho de parto não se sente segura ou protegida ou quando o progresso de seu trabalho normal é alterado, os níveis de catecolaminas aumentam e o trabalho de parto desacelera ou para. Sendo assim é muito importante fornecer apoio ao parto que respeite a privacidade da mulher, proteja-a de intervenções desnecessárias, garanta sua segurança e permita que ela confie em sua capacidade inerente de dar à luz normalmente.

Os animais, tanto os selvagens quanto os domesticados, procuram lugares tranquilos e isolados para dar à luz. E, no entanto, ao longo do tempo e das culturas, as mulheres que dão à luz foram atendidas por outras mulheres. Estudos atuais apoiam o valor do apoio emocional e físico contínuo, mas devemos nos perguntar se há algo a ser aprendido com a aparente necessidade dos animais de isolamento no trabalho de parto.

Existe uma necessidade básica importante, e muitas vezes negligenciada, das mulheres em trabalho de parto. Michel Odent observa que “… o parto é um processo involuntário e um processo involuntário não pode ser evitado. A questão é não perturbá-lo!” O funcionamento primoroso do trabalho de parto normal, natural e fisiológico não precisa ser melhorado. Quanto mais aprendemos sobre parto normal e fisiológico, mais respeitosos nos tornamos. Estamos apenas começando a entender a orquestração hormonal do parto e nascimento, e isso fornece uma base para entender a importância de “não perturbar” o processo fisiológico do parto e nascimento.

Imagem: Bruna Gil Fotografia

No início do trabalho de parto, as catecolaminas (os hormônios do estresse) têm o potencial de interromper o trabalho de parto. Quando uma mulher está com muito medo — da dor, do hospital, do desconhecido — o trabalho de parto não progride. As contrações podem tornar-se muito fortes e difíceis de lidar ou, mais tipicamente, tornam-se mais fracas. Em ambos os casos, as contrações tornam-se ineficazes. Por que deveria ser assim? Para animais que dão à luz na natureza, o medo de predadores no início do trabalho de parto desencadeia a liberação de catecolaminas e o trabalho de parto para, dando ao animal tempo para sair do perigo antes que o trabalho de parto comece novamente. A liberação de catecolaminas e a interrupção temporária do trabalho de parto protegem o animal e seus filhotes. Quando o nascimento está muito próximo, ocorre um surto de catecolaminas e, agora, o resultado é bem diferente. Um reflexo de ejeção fetal parece ocorrer. Na natureza, quando o nascimento está muito próximo, parir o filhote rapidamente permite que a fêmea se mova com segurança caso seja necessário.

Niles Newton estudou o efeito do ambiente no processo de parto e nascimento em ratos de laboratório. Sua pesquisa documenta a resposta de ratos em trabalho de parto ao medo e ao estresse. Quando os ratos foram perturbados, especialmente pela falta de privacidade, os picos de catecolaminas interromperam o trabalho de parto precoce. Mais tarde no trabalho de parto, a liberação hormonal foi inibida e o reflexo de ejeção fetal não ocorreu. Em ambos os casos, a natureza respondeu às ameaças, potenciais ou reais, no ambiente de nascimento e protegeu a mãe e seus filhotes. Newton passou a descrever as semelhanças na orquestração hormonal de fazer amor, dar à luz e amamentar. Em cada um, os hormônios facilitam o processo – na verdade, são parte integrante dele – e todos são facilmente “perturbados”.

Imagem: Adriana Costa Fotografia

Nós, como outros mamíferos, precisamos nos sentir seguros e protegidos para dar à luz com facilidade. Se não nos sentimos seguros e protegidos no início do trabalho de parto, os níveis de catecolaminas aumentam e o trabalho de parto é interrompido. Odent descreve o reflexo de ejeção fetal em mulheres. Durante o segundo estágio do trabalho de parto, se a orquestração hormonal do trabalho de parto normal foi alterada (por exemplo, pelo uso de ocitocina ou analgesia peridural), o reflexo de ejeção fetal não ocorre.

As mulheres optam por dar à luz em hospitais porque acreditam que é “mais seguro” do que dar à luz fora do hospital. Na verdade, o trabalho de parto e o parto na maioria dos hospitais criam um conjunto de respostas fisiológicas que realmente ocorrem quando nos sentimos inseguros e desprotegidos. No ambiente hospitalar típico, as mulheres são perturbadas a cada passo — com máquinas, intrusões, estranhos e uma total falta de privacidade. A sombra de “coisas dando muito errado a qualquer momento” segue as mulheres de uma contração para outra. Juntos, esses medos contribuem de maneira poderosa para a liberação dos hormônios do estresse, levando as mulheres a uma atitude fisiológica de luta ou fuga. No nível intelectual, uma mulher pode acreditar que o hospital é um ambiente seguro e protegido, mas seu corpo reage de maneira bem diferente. Não importa o que sua cabeça diga, seu corpo recebe a mensagem em alto e bom som. Seu corpo responde em um nível primitivo e intuitivo, entrando automaticamente no modo de luta ou fuga e alterando dramaticamente o processo de trabalho de parto e nascimento. Ao escolher a “segurança” médica moderna, as mulheres são estressadas fisiologicamente, o que dificulta o trabalho de parto e o nascimento. A falta de atenção à necessidade inerente da mulher de não ser incomodada no ambiente hospitalar típico preparou o cenário para um aumento crescente da taxa de cesárea pelo mundo, o uso rotineiro de peridurais no trabalho de parto, as altas taxas de trabalho de parto lento com uso de ocitocina e a alta incidência de partos assistido (fórceps e vácuo extrator).

Imagem: Adriana Costa Fotografia

Como o apoio ao trabalho no mundo moderno se encaixa nesse quadro? O apoio ao parto pode criar uma bolha, um casulo, em torno da parturiente? Dentro da bolha, a privacidade é protegida: estranhos são mantidos afastados (tanto quanto possível), as informações são filtradas e perguntas, interrupções e intrusões são reduzidas ao mínimo. Continuamente apoiada, protegida e cuidada, mas não perturbada, a parturiente pode deixar de lado o medo mesmo em uma maternidade movimentada. No entanto, ela ficará perturbada se sentir que está em um aquário sendo observada e avaliada. Ela também ficará perturbada se se sentir pressionada a progredir rapidamente porque o relógio está correndo. O ideal é que ela esteja cercada de familiares e profissionais que a escutem, observem e a encorajem silenciosa e pacientemente, certificando-se de que ela não seja incomodada e tenha a privacidade necessária para realizar o trabalho de parto.

Depois de reler estudos de Newton e Odent, devemos encorajar as mulheres grávidas a desenvolver planos de parto que abordem especificamente a necessidade de privacidade e a necessidade de “não ser incomodada”. Nas aulas, os educadores de parto precisam abordar a importância de se sentir segura e protegida e o papel que a privacidade desempenha em ambos. As mulheres precisam saber que privacidade não significa estar sozinha. Privacidade significa não ser incomodada, estar protegida e sentir-se segura durante o trabalho de parto. O melhor apoio ao parto protegerá a privacidade de uma mulher e garantirá que ela não seja perturbada para que possa explorar sua sabedoria interior e cavar fundo para encontrar a força de que precisa para dar à luz. As estratégias para garantir a privacidade serão bem diferentes dependendo de onde as mulheres planejam dar à luz (casa, centro de parto ou hospital). As mulheres precisam saber que o trabalho de parto e parto fora do hospital geralmente progride mais facilmente, pelo menos em parte porque o trabalho de parto é menos provável de ser perturbado. É possível uma política de “Não perturbe” em um hospital? Sim, mas exigirá uma ambiência hospitalar mais adequada, um planejamento cuidadoso das rotinas assistenciais e um excelente suporte do corpo clínico.

Imagem: Paula Beltrão Fotografia

Quando as armadilhas do parto médico clássico – monitores, agulhas intravenosas, leitos hospitalares e peridurais – desaparecem, quando as mulheres são silenciosa e pacientemente encorajadas e apoiadas em requintada privacidade por amigos, familiares e profissionais que confiam no parto e confiam na capacidade inerente de cada mulher de dar à luz, quando as mulheres deixarem de ser “perturbadas” no trabalho de parto, muito mais mulheres darão à luz normalmente e em êxtase.

Hemmerson Magioni, Médico Obstetra, Fundador e Diretor Técnico do Instituto Nascer – CRM-MG-34455.

*Referências: Newton N. The fetus ejection reflex revisited – Birth / Newton N, Foshee D, Newton M. Experimental inhibition of labor through environmental disturbance – Obstetrics & Gynecology / Odent M. The fetus ejection reflex – Birth / Odent M. 1992. The nature of birth and breastfeeding – Westport, CT: Greenwood Publishing.

Curso Preparação para o Parto

O Curso Teórico de Preparo para o Parto do Instituto Nascer acontece no formato HIBRIDO: PRENSECIAL E ONLINE. Os temas trazem um novo olhar sobre a gravidez e o parto onde a mulher é a protagonista e todo o cuidado é centrado em criar as melhores condições para que a mulher viva esse momento de forma positiva e segura.
R$145
R$ 125
00
( Valor para o casal )
  • 30/08/22 -“Spinning Babies” e “Posições Maternas no Parto”
IMPERDÍVEL