Logotipo Instituto Nascer
(31) 3262-3538

Blog

COVID-19 e Gravidez: qual é o impacto?

Considerando a conjuntura atual, fomos tentar saber o impacto do novo coronavírus sobre a gravidez. As conclusões não foram claras mas apontam para cuidados redobrados.

Qual é o impacto do novo COVID-19 sobre a gravidez? O que fazer se estiver grávida e for diagnosticada? Irá a infeção pelo vírus afetar o bebê?

Se você está grávida, estando o país em estado de alerta atualmente, deverá sentir alguma preocupação relativamente ao impacto do novo COVID-19 sobre a saúde da sua gravidez e de seu bebê.

Por isso mesmo, decidimos investigar o que dizem os especialistas sobre o impacto do novo coronavírus sobre a gravidez. A instituição norte-americana Centers for Disease Control and Prevention (CDC) publicou várias perguntas e oferece as possíveis respostas para tal.

Na gravidez, qual é o risco de contrair COVID-19? As grávidas estão mais suscetíveis de contrair o novo vírus?

A informação disponível ainda é escassa e pode mudar a qualquer instante, mas parece que gestantes não são grupo de maior risco, ou seja, não desenvolvem sintomas mais graves do que outras pessoas. Em uma análise de 147 mulheres, apenas 8% tinham doença grave e 1% estava em condição crítica.

Se uma grávida contrair COVID-19, a gravidade da doença poderá ser maior do que seria no público em geral?

Não se sabe ao certo se o impacto de uma infeção por COVID-19 poderá ser mais grave numa grávida do que noutras pessoas.

No entanto, com os vírus da mesma família do COVID-19, e outras infeções respiratórias virais, como é o caso da gripe, as mulheres apresentam um risco de doença mais grave.

Uma grávida infetada com COVID-19 pode transmitir o vírus ao feto ou recém-nascido?

Atualmente, desconhece-se se o vírus COVID-19 poderá ser transmitido da grávida para o feto ou da mãe para o recém-nascido. Que se saiba, até à data (12 de março de 2020), apenas um caso de possível transmissão vertical (da mãe para o bebê no período pré natal) foi relatado.

A opinião de especialistas é que é improvável que o feto seja exposto durante a gravidez. Foram testados líquido amniótico, sangue do cordão umbilical, placentas e amostras de leite materno de mães infectadas com o COVID-19 e todas as amostras com resultado negativo para o vírus.

Se uma grávida tiver COVID-19 durante a gestação, o bebê ficará afetado?

À semelhança das questões anteriores, ainda não se sabe que riscos poderá ter um bebê, cuja mãe tenha sido infetada com COVID-19 durante a gravidez.

Foram, contudo, relatados alguns problemas relacionados com a gravidez ou parto em bebés que nasceram de mães infetadas com COVID-19 durante a gestação. Mas não se sabe ao certo se estes problemas estavam relacionados com a infeção da mãe pelo vírus.

A grande maioria das mulheres experimentará apenas sintomas leves ou moderados do tipo resfriado / gripe. Tosse, febre e falta de ar são outros sintomas relevantes. Sintomas mais graves, como pneumonia e hipóxia acentuada, são amplamente descritos em pessoas idosas, imunossuprimidas, com diabetes, câncer e doenças pulmonares crônicas. Esses sintomas podem ocorrer em mulheres grávidas, portanto devem ser identificados e tratados prontamente.

Atualmente, não existem dados sugerindo um risco aumentado de aborto espontâneo ou perda precoce da gravidez em relação ao COVID-19. Como não há evidência de infecção fetal intrauterina com COVID-19, atualmente é considerado improvável que haja efeitos congênitos do vírus no desenvolvimento fetal.

Via de parto em gestantes com diagnostico de COVID-19?

A menos que hajam condições respiratórias urgentes da mãe, não há evidências que favoreçam um modo de nascimento em detrimento de outro e, portanto, a via de parto (normal ou cesárea) deve ser discutida com a mulher, levando em consideração suas preferências e quaisquer indicações obstétricas de intervenção. Dada a falta de evidência em contrário, o pinçamento tardio do cordão ainda é recomendado após o nascimento, desde que não haja outras contra-indicações.

De que forma podem as grávidas proteger-se do vírus COVID-19?

O melhor será naturalmente evitar sair de casa. Contudo, se tiver mesmo que sair de casa, as medidas de proteção a tomar são as mesmas recomendadas para o público em geral:

1- Cobrir o rosto ao tossir ou espirrar (para o cotovelo é uma boa forma).

2- Evitar contato com pessoas doentes.

3- Lavar as mãos com água e sabão durante 20 segundos e usar um desinfetante ou álcool nas mãos.

Face à incerteza das respostas, pois ainda não existem estudos suficientes para apresentarmos conclusões concretas, o melhor será as grávidas protegerem-se ao máximo do vírus COVID-19.

*Fontes: Centers for Disease Control and Prevention (CDC) / “Guidelines for Pregnant Women With Suspected SARS-Cov-2 Infection” – The Lancet e “Coronavirus (COVID-19) Infection in Pregnancy” – The Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (RCOG).

Setor de Ginecologia e Obstetrícia do Instituto Nascer sob Direção Técnica do Obstetra Hemmerson Henrique Magioni.